Archive from abril, 2016
abr 1, 2016 - Música, Opinião    Sem comentários

Por que o samba é contra

samba

Nesse assunto espinhoso, por vezes belicoso, que é o atual momento político da nação, tem gente que anda cheia de dedos. Outros, receosos ou sem opinião, preferem o silêncio. Alegam medo. Mas com sambista não tem essa. Se a hora é de luta, ele saca o pandeiro.

A grandiosa maioria deles engrossa o coro de defesa da democracia. Não tem nada a ver com gostar do governo, e sim da liberdade, do voto. É reação natural. O samba já surgiu cantando liberdade. Perseguido ainda no berço, conhece o valor do equilíbrio por ter experimentado a amarga ausência dele.

O samba nasce de uma mistura de culturas, com destaque-mor para a dos negros. E isso faz diferença. Os primeiros bambas tinham ainda vivo nos olhos o horror da escravidão. E cantaram contra ela. O sambista, brasileiros e brasileiras, está na luta faz tempo.

A semente foi sendo passada, e o samba, democrático que só, uniu negros e brancos, pobres e ricos, altos e baixos, homens e mulheres, patrão e empregado, o sapato e o pé descalço. E essa mescla não alterou em nada o seu DNA, que continua impregnado de justiça. É herança para quem veio depois.

Portanto, o samba abraça a luta pela democracia porque é de sua natureza e o faz com a mesma facilidade com a qual o passarinho bate as asas.
Que outro gênero musical dedica tantos versos à liberdade, à igualdade, à paz? Assuntos tão complexos para uma música, não acha? Mas para o samba não é. Pois ele não é entretenimento. É cultura.

Hoje, os sambistas vão para as ruas. Quando eles pensam no futuro, não se esquecem do passado.
É que foram atendidos ao pedirem “Abre as asas sobre mim/Oh, senhora liberdade”;
foram agraciados em outro rogo, feitio de oração: “Que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz”;
é que absorveram Candeia (1935-1978):
“Abra a janela do peito e deixe meu samba passar/
Samba não tem preconceito e já vai te libertar/
A liberdade dos prantos e dos desencantos que a vida nos deu/
A liberdade que canto é amor, é esperança pra quem já sofreu/
Cada qual que olhar para trás verá que sempre há uma razão de viver/
Quem guerreia pela paz, a verdadeira paz nunca há de ter.”

Os sambistas vão para as ruas porque é na rua que mora a liberdade. Que seja sempre assim.

**
O desenho é de Elodie Lacaze, artista francesa apaixonada pelo Rio e pela música que essa cidade esculpiu.

 

_____

Texto publicado originalmente no Facebook, dia 31/03/2016

UA-53194424-1
UA-53194424-1